Piauí firma pacto para redução de acidentes de trânsito

Responsável por milhares de vítimas mortais a cada ano, os acidentes de trânsito estão sendo tratados como questão de saúde pública no Piauí. Em nível nacional, o Departamento Nacional de Trânsito – Denatran, o Ministério das Cidades e o Ministério da Saúde lançaram, nesta quarta-feira (11), o Pacto Nacional pela Redução de Acidentes no Trânsito – Pacto pela Vida.

Na solenidade, o governador Wilson Martins fez uma intervenção e destacou a preocupação com relação ao número de acidentes no país, especialmente no Piauí, e informou que no Estado está sendo realizada uma pesquisa para avaliação do impacto social e econômico provocado pelos acidentes. No Brasil, os prejuízos com acidentes chegam ao dobro do PIB do Piauí.

Wilson Martins destacou o compromisso do governo em reduzir o número de acidentes através de inúmeras ações educativas e preventivas realizadas periodicamente no Estado. A solenidade também contou com a presença dos ministros das Cidades, Mário Negromonte, e da Saúde, Alexandre Padilha.

Como um dos primeiros estados a criar um plano estratégico de enfrentamento dos problemas de trânsito, o Piauí pactuou com o Governo Federal a responsabilidade de provocar ações educativas e de combate a imprudência e aos acidentes de trânsito.

De acordo com a Organização das Nações Unidas, apenas no ano de 2009 cerca de 1,3 milhão de pessoas morreram no trânsito, em 178 países. No ranking dos países recordistas, o Brasil ocupa o quinto lugar. No Piauí, os números também são preocupantes. Segundo a Companhia Independente de Policiamento de Trânsito (Ciptran), os acidentes nas ruas e avenidas da capital Teresina geraram 66 mortes e mais de 1.800 feridos apenas no ano de 2010.

“Por trás desses números temos famílias destruídas, jovens mutilados ou mortos. É preciso enfrentar esse problema como uma questão de saúde pública e que envolve não apenas os departamentos de trânsito, mas também de órgãos que trabalham com os jovens, principais vítimas, com a saúde, que fica com a maior parcela de responsabilidade no tratamento das vítimas, e os setores de educação e segurança, que têm a responsabilidade de educar e coibir”, disse o governador Wilson Martins.

Ele ressaltou que o pacto pretende mobilizar a sociedade e reunir ações para diminuir os altos índices de acidentes no trânsito, em resposta à conclamação mundial da Organização das Nações Unidas, que por meio da Resolução A/64/L44 proclamou o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”.

Piauí já possui frente de mobilização contra acidentes de trânsito

No Estado, as Secretarias de Saúde, Segurança, Educação, de Inclusão da Pessoa com Deficiência, além de Detran e Coordenadoria Estadual da Juventude estão envolvidas no processo. “Além disso, solicitamos à Fundação Cepro que faça uma pesquisa mais detalhada desse problema no Estado. Precisamos saber a real situação, especialmente dos acidentes envolvendo motocicletas, para combater de frente o problema, especialmente da imprudência no trânsito, que, sem dúvida, é a maior causa de acidentes”, destacou Martins.

Além de campanhas educativas que deverão ser veiculadas nas próximas semanas, o Detran tem feito blitzen sistemáticas e ações educativas a fim de conscientizar os condutores para que utilizem seus veículos de maneira correta, diminuindo assim o número de infrações cometidas. Também estão na pauta palestras nas escolas públicas.

Trânsito é uma das principais causas de morte entre jovens

Estudo do Ipea de 2003 afirma que o gasto anual do Governo com vítimas de acidentes nas vias brasileiras supera os R$ 25 bilhões. Segundo dados do Ministério da Saúde, os acidentes de trânsito são uma das principais causas de morte entre homens de 20 e 24 anos. Só em Teresina, no último ano, os acidentes vitimaram mais de 20 jovens com idades entre 18 e 29 anos. Segundo o Ciptran, esses dados dizem respeito apenas às vítimas encontradas mortas no local do acidente, sem contabilizar os feridos que chegam ao óbito posteriormente.

Dados da Companhia Independente de Policiamento de Trânsito (Ciptran), referentes ao mês de abril, revelam que foram registradas em Teresina 1.072 infrações, sendo 41,23% em relação à condução de motocicleta sem utilização de capacete ou acessório de segurança. Elas totalizam 442 ocorrências e são infrações consideradas de natureza gravíssima.

Em segundo e terceiro lugares no resumo das infrações mais cometidas estão a condução de veículo sem possuir Carteira Nacional de Habilitação e condução de veículo não registrado ou devidamente licenciado, com 23,5% e 13,43% das ocorrências consideradas gravíssimas, respectivamente. Essas infrações somadas chegam a 396 notificações.

Outro dado que também chama a atenção no relatório é a condução do veículo sob influência de álcool. Foram registradas 17 ocorrências na capital só no mês de abril. Esta infração incorre em multa no valor de R$ 191,52 e na perda da carteira de habilitação.

Fonte: 45graus

divisao

0 Comentário Publicar Comentário

Seja o primeiro a comentar.